Crítica: Cinquenta Tons Mais Escuros

Sabem porque eu me apaixonei por esse livro? Porque eu consegui enxergar os sentimentos mais profundo que ali existe.

Depois de 7 dias de cárcere privado aqui no Espirito Santo devido à greve da Policia Militar, finalmente 50 tons mais escuros conseguiu estrear. Ontem foi o dia que sai de casa especialmente para assistir a história de um dos meus livros favoritos.

O que vou contar pra vocês agora é MINHA humilde opinião.

Nesse filme encontramos a versão do Christian romântico, em todos seus 50 tons é esse cara apaixonado, disposto a abrir mão de tudo por causa do seu amor que vem nos receber. Ele aparece mais brincalhão, mais sorridente, mais humano se posso assim dizer.

Suas emoções ficam claras e transbordam sobre a tela.

Encontrei também uma Anastásia mais forte, mais determinada, super engraçada e irônica (além de se vestir bem melhor).

Jamie Dornan e Dakota Johnson estão mais conectados do que nunca em seus papeis, eles fazem um par incrível, com uma química difícil de se ver por aí. Mostram uma paixão que se torna real aos nossos olhos.

Dessa vez o filme é mais leve sexualmente falando, as questões são mais voltadas para o passado dele, onde mostra alguns flashbacks de sua infância e também os acertos de conta com as mulheres que ele se relacionou e o futuro com ela, com a construção da confiança mútua e de um relacionamento baunilha.

A trilha sonora não me decepcionou, estou completamente viciada nas músicas que tem nada mais nada menos que: John Legend, Sai, Nick Jonas, além da música maravilhosa da Taylor Swift e Zayn.

Mesmo sendo fã não pude deixar de perceber erros de roteiro, erros de sequência e cortes bruscos. Sei que eles tiveram que cortar várias partes pra diminuir a classificação do filme para 16 anos, isso acaba justificando os erros de sequência onde as cenas não se encaixam perfeitamente. A promessa é que essas cenas retiradas estejam no DVD.

Confesso que senti falta da fotografia da Sam Taylor-Johnson, que foi impecável em 50 tons de cinza. Em 50 tons mais escuros a fotografia é bonita, mas não é brilhante.

O segundo filme da trilogia é muito menos pesado do que o primeiro, em 50 tons de cinza há muita cena de sexo intenso entre eles é algo mais carnal e agora fomos presenteados por algo mais emocional (temos mais romance e mais suspense).

Jamie Dornan está muito mais à vontade, a forma como ele contracena com a Dakota Johnson mudou, ele está muito mais solto (até seu jeito de andar se modificou). Se você assistir os dois filmes em sequência vai ficar nítido a mudança dele em cena.

Claro que nós sabemos que isso é uma ADAPTAÇÃO, nem tudo que tem no livro tem no filme e vice-versa, afinal, o livro tem 479 páginas e não daria pra colocar tudo (apensar de que eu ia adorar).

A gente nota a ausência de alguns personagens como o Dr. Flynn e o Ethan. E senti falta de algumas cenas como: da sinuca, algumas outras partes do baile. Também da frase mais linda que tem no livro: “Você queria flores e corações. Você tem meu coração e aqui estão as flores”. Foi dito, mas não dessa forma.

Tirando isso, todas as cenas mais românticas têm no filme e são tão lindas que a gente não aguenta, dá um suspiro e diz “OWNN QUE COISA MAIS LINDA”

Outra coisa que me chamou atenção é que algumas sutilezas que colocaram o filme e que não tem no livro deixaram a história bem melhor, como o tiro que a Leila dá, algumas falas e atitudes do Christian.

Ao final disso tudo eu quero dizer que SIM, EU GOSTEI! Vi muitos blogs criticando o filme, mas e daí? Eu lembro que era muito criticada por gostar de rebelde, todos falavam que era ruim e a mesma coisa acontece com 50 tons. Acho que cada um tem seu gosto, cada um tem sua opinião e temos que respeitar.

Essa é a minha.

E você o que achou de 50 tons mais escuros?

P.S. Com certeza comprarei o DVD e assistirei mais umas 10 vezes.

Beijocas e até mais <3